Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

justsmile

07
Mai20

A História de uma Serva (7/12)

(Imagem retirada daqui)

       Já devem ter reparado por aqui e pelo instagram que as leituras têm sido um dos meus melhores passatempos nos últimos meses. A leitura tem-me feito viajar, já que não posso sair de casa, pelo menos levo a minha mente para outro sítio. A verdade é que tem sido um bom escape e tenho aproveitado para adquirir novos livros e ler os poucos que restavam na estante.

       Já há algum tempo que desejava ler "A história de uma serva", admito que só soube da existência do livro depois dos prémios que a série conseguiu arrecadar. Mas como sou uma pessoa mais de livros, do que de séries (apesar de as adorar), decidi que não a iria ver sem primeiro ler o livro. O meu maior erro? Encomendar o primeiro livro, sem o segundo, porque agora estou ansiosa que a Wook faça mais uma promoção para conseguir adquirir o livro.

      Nos últimos anos tenho lido alguns livros sobre utopias, não um lugar perfeito em que o mundo se viria a tornar, mas até assustador. Em todos esses livros, Admirável Mundo Novo e Fahrenheit 451, fiquei surpreendida com a proximidade que a sociedade está dessas utopias, imagens de um futuro brilhante (visto dos olhos de alguém), mas que da minha perspectiva é simplesmente aterrador. É-me impossível conseguir imaginar tal mundo, mas ao mesmo tempo vejo cada vez mais pessoas a acreditarem em valores totalmente dispares dos meus e aproximarem-se de realidades que parecem apenas ficção. "A história de uma serva" é mais um desses livros em que a realidade parece não existir no livro, mas que ao mesmo tempo me faz questionar se um dia não existirá a possibilidade de tal acontecer.

        Este é um livro em que o mundo ideal nos leva para o século passado, mas num formato ligeiramente mais assustador, em que as mulheres voltam a não ter opinião, e a serem empregadas, criadoras e barrigas de aluguer. Onde liberdade não é uma palavra permitida, onde os livros voltaram a desaparecer e a ser inacessíveis e onde a infertilidade é um problema para os altos estatutos. Este é um livro assustador, como todos os outros que nos fazem abrir os olhos para continuar a lutar pela nossa liberdade, mas que nos faz questionar o quão real é esta mentalidade na cabeça de algumas pessoas. Pois garanto-vos, existem pessoas por aí em que o descrito neste livro seria a idealização de um novo mundo e basta olharmos para os meios políticos para nos apercebermos disso.

         "A história de uma serva" foi sem dúvida um óptimo livro e estou desejosa de ter o segundo nas minhas mãos.

 

29
Out18

As notícias do outro lado do Atlântico

(Imagem retirada daqui)

 

       As notícias que nos chegam do outro lado do Atlântico têm-me deixado assustada. Primeiro foi o Trump que venceu as eleições nos Estados Unidos da América, depois a Venezuela que está numa queda vertiginosa e agora o Brasil. Eu compreendo que os tempos são difíceis para todos, compreendo que os receios sejam imensos e que todos queiram melhorar a sua pátria, o que não percebo é como achamos isso possível ao ser-se de extrema direita. Não teremos já tido exemplos do passado em como as coisas não acabaram nada bem com a extrema direita? Não poderemos aprender com os nossos erros em vez de estarmos sempre a repetir a nossa história?

        Admito que as notícias que nos têm chegado do outro lado do Atlântico são assustadoras, quem diz do outro lado também fala aqui na Europa, mas foquemo-nos agora nas notícias mais recentes. As pessoas estão a deixar-se levar por uma mentalidade antiga que promete milagres que nunca se virão, muito pelo contrário, que podem trazer consigo o inferno. São mentalidades fechadas e pequeninas, de pessoas que acham que a solução é fechar portas e sermos todos automatizados e exactamente iguais. São pessoas pequeninas no ego, mas que se acham superiores a outros que lutam, que têm ideias diferentes ou até gostos. 

        As notícias que nos chegam são realmente assustadoras e a cada ano que passa mais me assustam. Mas quem me assusta? São os Brasileiros que estão no nosso país e que ainda assim votaram num homem como Bolsonaro, pessoas que tiveram de emigrar, que tiveram de mudar de país, mas que ainda assim acham que a solução passa por um fascista. As pessoas esquecem-se do passado, das histórias dos nossos avós. A raça humana tem a memória mais fraca do que realmente deveria ou simplesmente não quer saber e gosta de cometer os mesmos erros.

         O mundo está a tornar-se num local assustador.

 

12
Fev18

Desperdício Zero: O que já faço

(Imagem retirada daqui)

 

     No mês passado falei-vos da minha vontade de mudar os meus hábitos ao nível de produção do lixo. O movimento Desperdício Zero tem despertado em mim a consciência para uma realidade que me parecia muito distante, mas ao acompanha um grupo do Facebook e alguns blogs tenho aprendido que ainda há imensa coisa para mudar em mim e nos meus hábitos. No entanto, antes de começar essa mudança, em conversa com uma amiga que desde que foi mãe deixou o minimalismo entrar e agora o desperdício zero, compreendi que realmente já faço algumas coisas para melhorar um bocadinho o nosso mundo. Inconscientemente, já tinha em mim alguns hábitos, não só de poupança, mas de diminuição de produção de lixo. Nomeadamente:

    - Já há muitos anos que a reciclagem é um ponto obrigatório na nossa casa. Não foi fácil deixar entrar, principalmente para os meus pais, mas neste momento a reciclagem é um hábito adquirido.

     - Recusar sacos de plástico, admito que só o comecei a fazer desde que os sacos começaram a ter custo. No entanto, ando sempre com um saco de pano na carteira e utilizo-o em todas as lojas que não oferecem os sacos. Quando os oferecem reutilizo em casa para os baldes do lixo.

     - Compostagem, os meus pais sempre tiveram um jardim e um campo, assim sendo lembro-me de fazer a compostagem desde criança. 

     - Usamos desde sempre guardanapos de pano, só quando temos visitas utilizamos os de papel. Quando sugeri isto a Ele para a nossa casa Ele achou ridículo e ainda não o consegui fazer mudar de ideias, ajuda precisa-se!

     - Aproveito ao máximo todos os produtos que venham em embalagens, não só por causa do meio ambiente, mas para conseguir poupar mais uns trocos. É hábito ver-se na casa de banho um ou outro produto cortado para conseguir ser aproveitado até à última gota.

     

     Se virmos bem, pouca coisa fazia. Mas foi esta reflexão que me ajudou a mudar de hábitos, pequenos, quase insignificantes, mas a verdade é que agora estou mais atenta ao que compro ao que faço e sei que quero dar mais passos para melhorar o mundo há minha volta. O que mudei e o que quero ainda mudar?

      - Deixei de tirar os talões no MB, se quero ver saldos vejo no telemóvel, se quero levantar dinheiro não peço talão e até evito fazer pagamentos em multibanco para não ficar com talão.

      - Quero imenso começar a evitar os sacos de papel. Quando vamos às compras de roupa, estas costumam vir em sacos de papel, queria ver se começava a dizer que não era preciso, afinal tenho sempre comigo na carteira o saco de pano.

     - Sem dúvida alguma que estou mais atenta aos ingredientes de produtos de limpeza e de higiene. Já consegui mudar algumas coisas, creme da cara, champô, limpeza intima e até o desodorizante já foram alterados para produtos feitos com ingredientes naturais e tenho tido excelentes resultados. Estou até ansiosa por encomendar a minha primeira escova de dentes de Bambu.

      - Deixar as garrafas de plástico de água fora da minha vida. Normalmente compro uma garrafa de água por semana e reencho-a as vezes que forem necessárias ao longo da semana, mas quero encontrar uma alternativa. No entanto, as alternativas ou são pesadas ou não têm a medida que desejo (75cl), porque precisa de caber na carteira e de andar comigo o dia todo.

       - Reciclar as pastilhas do café. Aprendi recentemente que já é possível entregar em loja as pastilhas da máquina Dulce Gusto para serem reutilizadas, preciso mesmo de começar a guardá-las para as reciclar.

       - Lenços de pano, ok, neste ainda estou reticente, contudo ainda tenho lá para casa uns lenços antigos e em bom estado que vou tentar ter na carteira para diminuir a utilização de lenços de papel.

 

       Sei que ainda são passinhos pequeninos, mas estas são as mudanças imediatas que fiz ou que quero fazer na minha vida para promover um mundo melhor e de menos desperdício. Sei que ainda tenho uma longa caminhada, mas quero começar devagar para a mudança não ser temporária, quero tornar cada um destes passos em algo definitivo na minha vida. Não quero ir em modas, quero simplesmente mudar os meus hábitos para me sentir melhor com o mundo e comigo mesma. Quem já abraçou esta causa? Mais alguma sugestão?

Inspiração do Mês

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Segue-me ainda em...


Justsmile91's book recommendations, liked quotes, book clubs, book trivia, book lists (read shelf)

Nas páginas de...

2020 Reading Challenge

2020 Reading Challenge
Justsmile91 has read 0 books toward her goal of 12 books.
hide

Parcerias

Emprego em Portugal estudoemcasa-mrec