Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

justsmile

03
Dez18

O que aprendi em 2018?

(Imagem retirada daqui)

      O ano que está a terminar foi um dos melhores anos da minha vida, está no topo da lista daqueles anos que nos enchem o coração e de boas memórias. Foi um ano de muitas mudanças, de muitos desafios, mas também de muita luta e muita persistência. Este foi o ano de provar a mim própria muita coisa, de aprender comigo própria, com a minha vida e com as minhas opções e decisões. Foi um ano em que aprendi com os meus erros, com as minhas decisões e com as minhas reflexões. O ano de 2018 fica marcado pela mudança, mas também pelas aprendizagens que fiz de mim própria.

      Aprendi que estou rodeada de bons amigos e família. Eu já o sabia, sempre o soube. Não tenho muitos amigos, mas os que tenho são realmente bons e este ano tive a prova disso. Já o sabia, mas vê-lo e senti-lo como senti no dia do nosso casamento foi diferente, foi uma certeza muito forte, muito própria e compreendi que estou rodeada de pessoas que me querem ver feliz, que me querem realmente bem. Entre eles não vejo falsidade, não vejo más intenções e quem esteve presente naquele dia encheu-me o coração de uma forma que nunca tinha sentido. Quando fomos ler na igreja foi quando me apercebi que todos os que ali estavam eram por nós, que todos nos dariam a mão em situações de aperto, que todos ali partilhavam a nossa felicidade. Naquele dia, naquele momento, confirmei que a felicidade deve ser partilhada.

       Aprendi que afinal os sonhos se concretizam. Durante tanto tempo tive medo de sonhar, durante anos controlei os meus sonhos e os enjaulei para não cair na desilusão, até ao dia em que voltei a sonhar. Lentamente, passinho a passinho como um bebé que aprende a caminhar. Este ano não aprendi a sonhar, aprendi sim que os sonhos se concretizam. Casei com o meu melhor amigo, com o amor da minha vida, um sonho que esteve em mim desde sempre, e que se viu concretizado. Os sonhos podem demorar a serem concretizados, mas quando o são têm um sabor especial, uma sensação de concretização que não se consegue explicar. Vale a pena sonhar, vale a pena lutar pelos nossos sonhos, porque mais cedo ou mais tarde acabam por se concretizar.

       Aprendi a dizer mais vezes 'não'. O tempo, a obrigação de poupança, o trabalho em excesso ensinaram-me a dizer mais vezes que não. "Não posso. Não dá. Não consigo." palavras que entraram mais vezes no meu vocabulário como um método de auto-defesa, fosse para descansar mais um pouco, fosse para poupar para os meu objectivos ou até para não me assoberbar de trabalho. Matei em mim a sensação de culpa e o único 'se'? Se calhar devia tê-lo feito ainda mais vezes do que realmente fiz.

      Aprendi que nem sempre as pessoas fazem por ti o que tu fazes por elas. Infelizmente. Senti-me triste, desiludida por compreender que nem sempre a amizade é bilateral, ou que o conceito de amizade é semelhante. Doeu, talvez ainda doa. Pensava que já tinha aprendido esta lição no passado, mas afinal continuo ainda a não ter a lição bem estudada e voltei a cair na desilusão. Aprendi que nem sempre as pessoas fazem por mim aquilo que faço por elas, mas talvez fosse necessário aprender esta lição, voltar a compreender que nem toda a gente merece a nossa atenção de forma igual.

        Aprendi que consigo sempre aquilo por que luto. Pode demorar, imenso até. Pode ser duro, como foi, mas desistir nunca foi uma opção e valeu bem a pena! Voltei a trabalhar como terapeuta da fala e nunca me senti tão concretizada num emprego. Houve muitas quedas antes de conseguir voltar ao mercado do trabalho, houve muitas desilusões e até lágrimas, mas voltei. É verdade que o desemprego é certo dentro de alguns anos, mas até lá? Até lá vou agarrar esta oportunidade e tirar o melhor partido dela.

       Aprendi que a vida nunca pára. Achei, ingenuamente, que casando e conseguindo a nossa casinha as coisas iriam acalmar, que iríamos ter mais tempo para relaxar, mas a vida deu uma volta de 180º e nada parou. O tempo continuou a ser escasso, o número de tarefas aumentou e de um objectivo alcançado passamos imediatamente para o próximo. É bom, tem sido fantástico, mas extremamente cansativo e tenho a sensação que a vida irá ser sempre assim, passar sem parar.

       Este foi sem dúvida um ano de muitas aprendizagens, muitas lições. Não foi tudo um mar de rosas, longe disso, mas o balanço é tão positivo que apenas me posso sentir grata, mesmo com as coisas menos positivas. Que o próximo ano seja um ano de boas aprendizagens!

 

 

21
Dez17

O que aprendi em 2017?

(Imagem retirada daqui)

 

      A reflexão sobre 2017 ainda está para chegar, no entanto, ainda antes de ter chegado a Dezembro de 2017 dei por mim a pensar nas lições que retiro de 2017. Foi um bom ano, sem dúvida que sim, se o formos comparar com os últimos dois anos, no entanto apercebi-me que também não foi propriamente um ano fácil. Apesar de ter conseguido concretizar alguns sonhos, apesar de ter começado a realizar os meus próprios desejos, dou por mim a verificar que foi um ano de luta, um ano de aprendizagens, de auto-conhecimento e de reflexão. Apercebo-me agora, mesmo no final do ano, que este foi um ano de muitas lições.

      Aprendi que nem sempre a sinceridade é boa aliada. Fui sincera e perdi uma amizade. Não fui desagradável, simplesmente expus totalmente a minha situação, os meus sentimentos e como não fui compreendida perdi uma amizade. Acho que se tivesse dado uma desculpa esfarrapada para declinar um convite, penso que se tivesse inventado algo, hoje manteria essa amizade. Em vez disso optei por ser 100% sincera, mostrar o meu lado da situação e isso fez-me perder uma amizade. Aprendi uma lição, não sei se irei voltar a repetir, pois sou apologista da sinceridade acima de tudo, mas aprendi que nem sempre a sinceridade funciona.

      Aprendi que não vale a pena fazer fretes. Deixei-me totalmente de me colocar em posições que me são desconfortáveis, que não se adequam a quem sou e que não valem a pena. Desisti de tentar sorrir a quem não merece e comecei a dizer mais vezes 'não'.

      Re-aprendi que as verdadeiras amizades são para sempre. Aqueles amigos que um dia achei perdidos estiveram ainda mais presentes este ano. Foram jantares, foram conversas, foram boas horas tentadas encaixar em horários e tarefas de loucos, mas conseguimos sempre, por muito que fosse adiado.

      Aprendi a lutar por mim, a defender-me. Voltei a pensar em mim, ainda mais um bocadinho. Voltei a encontrar tempo para as coisas que gosto. Voltei a cuidar mais de mim. Voltei a defender-me quando necessário e a mostrar as minhas garras. Não foi fácil, não foi agradável, mas foi necessário. Venci batalhas e soube muito bem. Agora olho para trás e penso como consegui, mas a verdade? A verdade é que realmente estou aqui e sou a prova viva de que vale a pena lutar.

       Aprendi a lutar ainda mais. Não só por mim, mas pelos meus sonhos. Continuei a tentar lutar por um sonho profissional, mas também aprendi que há limites nessa luta e já defini um. Preciso desse limite psicologicamente, mas isso nunca me impediu de durante os últimos dois anos ter lutado por um sonho.

       Aprendi a poupar e a organizar-me ainda mais. Aprendi a ser mais minimalista e a reflectir. A prova viva disso é este blog. Eu sou a prova viva desta mudança que tão bem me tem feito. Mudei, aprendi muito, mas aprendi para meu bem. Aprendi para saber lidar com o stress, com os horários loucos, com a rotina cansativa e até com a frustração. Até aprendi a organizar o blog mensalmente, a definir objectivos, a focar-me ainda mais no que realmente quero! Cresci com estas aprendizagens todas e espero continuar a crescer com tudo isto.

       Aprendi que tudo o que é bom custa, que tudo tem de ter o seu esforço para saber bem. Aprendi que sou uma pessoa que não tem nada de mão beijada, que tenho sempre de lutar mais que alguns, menos que outros. Aprendi que tenho mesmo de ser persistente para chegar aonde quero. E com isso aprendi que sou mais forte do que pensava, mais resiliente do que imaginava. Porra, começo mesmo a orgulhar-me de quem sou. Ao olhar-me ao espelho vejo realmente quem sempre quis ver e isso faz-me bem, faz-me sentir em paz e tranquila.

      Aprendi a encontrar mais paciência. Aprendi a calar-me mais, a desligar-me mais e melhor. Não foi fácil, houve discussões na mesma, mas tenho aprendido cada vez mais a engolir, a respirar e a deixar passar. Tenho aprendido a meter-me onde não devo, a ignorar o que deve ser ignorado, seja a nível profissional como pessoal. Custa, é verdade, mas tem sido mais fácil lidar com o dia-a-dia dessa forma.

       Durante 2017 foram muito as lições que aprendi, algumas simplesmente melhorei, mas olho para trás e consigo ver que cresci. Parece que a miúda que por aqui escrevi há alguns anos está agora mais crescida, com as ideias mais definidas e com os sonhos mais organizados. Vejo ao espelho uma nova pessoa, com uma nova forma de estar, de ser, de lidar e este ano contribuiu muito para esse crescimento. Existiram muitos desafios, muitos momentos de frustração e isso obrigou à mudança. Foi essa necessidade de mudança que fez com que decidisse realmente mudar. Surgiu assim o crescimento, as lições que foram sendo retiradas ao longo do ano. 2017 foi um bom ano para aprender. 2017 foi um bom ano para crescer.

Inspiração do Mês

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Segue-me ainda em...


Justsmile91's book recommendations, liked quotes, book clubs, book trivia, book lists (read shelf)

Nas páginas de...

2020 Reading Challenge

2020 Reading Challenge
Justsmile91 has read 0 books toward her goal of 12 books.
hide

Parcerias

Emprego em Portugal estudoemcasa-mrec