Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

justsmile

02
Nov18

Uma semana sem dizer "Estou cansada"

       Na semana passada comprometi-me comigo mesma a passar uma semana sem utilizar a expressão "Estou cansada". Comprometi-me publicamente com vocês que estas palavras iriam ser abolidas do meu vocabulário durante pelo menos uma semana e hoje digo: Desafio concretizado com sucesso!

        Todos os dias referia o quanto andava cansada, acordar às 7h, ter uma hora de viagem de carro e deitar já a passar das 23h tem feito o meu físico e psicológico sentir-me desgastado, mas compreendi que não conseguia mudar horários, que não conseguia deitar-me mais cedo, por isso o truque para eliminar este meu cansaço constante era deixar de me queixar dele e tirá-lo da minha mente e do meu vocabulário. Assim foi, se a semana foi melhor que as outras? É verdade que teve um feriado ali pelo meio, mas que foi ainda mais desgastante que um dia de trabalho normal. Se mudei a minha rotina? Nada, não consigo, compreendi que ainda não tenho uma rotina bem estabelecida, mas que preciso de focar um bocadinho em mim e não estar sempre a fazer as coisas em prol dos outros. Então o que mudou? Apenas o pensamento. Deixei de pensar nas horas que perco de viagem. Deixei de me queixar do trânsito. Deixei de olhar fixamente para o relógio na hora de ir deitar (aliás, esta semana deitei-me mais tarde que o normal todos os dias). Deixei de chegar à hora do jantar e de pensar "raios, estou tão cansada!". Simplesmente deixei de ser controlada pelo meu próprio conceito de cansaço. Se deixei de andar cansada? Não, nem lá perto. O corpo ressente-se, de manhã continua a pedir mais umas horas de cama, mas levanto-me e vou preparar-me para mais um dia de trabalho.

        Cada vez mais acredito que a nossa mente muda a nossa postura perante a vida e esta semana este desafio foi a prova disso mesmo. Admito que os dias continuam de loucos, que eu e Ele mal nos conseguimos cruzar na hora do jantar e do sofá, que os fins-de-semana passam demasiado rápido e que o domingo não serve para nada quando se trabalha seis dias por semana, mas tenho-me sentido bem. Se quero fazer mais coisas em prol de mim mesma? Claro que quero, apenas ainda não os consegui incluir na minha rotina diária (como ler e cozinhar alguns docinhos), mas acredito que hei de lá chegar! Afinal a mente tem o poder de mudar a nossa vida.

22
Jan18

Desacelerar a vida

(Imagem retirada daqui)

 

       A vida é uma verdadeira corrida. É a corrida para acordar e preparar-nos para ir para o trabalho. É a corrida de chegar ao trabalho a horas. É a corrida de fazer hoje o que era de ontem. É chegar a casa e correr para fazer o jantar, tomar banho, preparar as coisas para o dia seguinte, para conseguir ficar meia hora no sofá em modo 'offline'. A vida exige tanto de nós que às vezes nem conhecemos outro modo a não ser o 'acelerar'. Estamos numa constante corrida contra o tempo, para fazer, para conseguir, para realizar que acabamos por nos esquecer de tudo o que é importante e até mesmo de nos cuidarmos. Tenho trabalhado de mais, tenho tido alguns momentos de frustração no mesmo e quando chego a casa não tenho tido muito tempo a não ser para tomar decisões, pedir orçamentos e averiguar algumas ofertas. Temos andado numa constante corrida, tenho sentido o corpo extremamente cansado, principalmente desde que andei adoentada, e este fim-de-semana decidi que seria o fim-de-semana de desacelerar. Eu sei que tinha obrigações e responsabilidades. Eu sei que devíamos ter ido ver electrodomésticos e mais mil e quinhentas coisas, até sei que devia ter ido trabalhar o sábado todo, mas o corpo não deixou. Mais que o corpo, a minha mente estava a precisar de um momento de descanso, de puro relaxamento, sem conversas de obras, casamento, luas-de-mel e outros tantos afins. Não queria ouvir falar de trabalho, não queria ouvir falar de continuar a procurar e muito menos da minha actual situação. Simplesmente quis-me desligar de tudo, focar em mim, no meu corpo e realmente descansar no sofá e ver televisão.

     Contra todas as minhas responsabilidades, contra até os meus próprios ideais decidi que mais do que trabalhar precisava de descansar e cancelei todas as minhas consultas de sábado. No meu intimo sentia que era algum dinheiro que estava a desperdiçar, mas a minha mente e o meu corpo apenas imploraram para que seguisse essa sugestão. Cancelei todas as minhas consultas e dormi a manhã de sábado, não havia muito tempo que tinha feito algo do género, em Dezembro, mas começar o mês de Janeiro doente desorientou-me imenso. De tarde arranjei as unhas, fiz a depilação e o resto da tarde, enquanto Ele foi arranjar o carro, fui para o sofá (me, myself and i) pôr as minhas séries preferidas em dia. Quando Ele chegou fomos comprar ingredientes para uma pizza caseira, com a qual nos deliciamos ao jantar (nossa! já não sabia o que era comer uma pizza cheia de queijo e não recear nenhuma reacção por causa da lactose!). O serão de sábado foi no sofá, deitados a ver mais uns quantos episódios de MasterChef. Nós, o sofá e a manta, encheram-me o coração e fizeram-me relaxar como andava a precisar há imenso tempo.

      No domingo fomos festejar o 3º aniversário do afilhado (meu deus! Como é possível o miúdo já ter três anos?), brinquei com os meus sobrinhos, bebi dois copos de vinho e aproveitei para estar com quem gosto. Para rir, para brincar, para aparvalhar, sem problemas, sem segundos pensamentos e sem pensar no que tinha para fazer. O domingo terminou outra vez no sofá, a ver mais MasterChef sob a manta. Não tínhamos nada para fazer? Tínhamos, aliás, temos ainda imensa coisa para fazer, para decidir, para comprar, mas senti que era altura de desacelerar da vida. Precisava de parar, respirar, recuperar as energias e conseguir desligar o cérebro. É verdade que não foi o fim-de-semana que mais dormi, mas sinto-me cheia de energia, sinto-me verdadeiramente descansada. Deixei coisas pendentes? Sim, são coisas que me obrigarão a reorganizar para as conseguir fazer e entregar a tempo e horas, são decisões que desta semana não podem passar, mas a verdade é que não estou minimamente preocupada. Sinto que mais do que continuar a correr nesta vida, precisava de sair deste ciclo vicioso, nem que fosse por dois minutos. O meu momento diário, aquele momento que tenho todos os dias e só meu, já não estava a ser suficiente e precisava de mais. Este fim-de-semana foi perfeito para isso, para recuperar a minha energia, para nesta segunda feira estar mais focada, mais positiva e pronta para uma nova semana que se avizinha cheia de trabalho. O fim-de-semana pode ter sido dos menos produtivos dos últimos tempos, mas sinto-me renovada.

        Estava mesmo a precisar de desacelerar a minha vida, nem que fosse por breves momentos. Também têm esta necessidade?

 

Inspiração do Mês

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Segue-me ainda em...


Justsmile91's book recommendations, liked quotes, book clubs, book trivia, book lists (read shelf)

Nas páginas de...

2021 Reading Challenge

2021 Reading Challenge
Justsmile91 has read 0 books toward her goal of 12 books.
hide

Parcerias

Emprego em Portugal estudoemcasa-mrec