Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

justsmile

22
Fev18

Não tenho muita sorte profissional...

(Imagem retirada daqui)

 

       Dei por mim no outro dia a pensar sobre o meu percurso profissional. Terminei a minha licenciatura há quase cinco anos e apercebi-me que tenho uma vasta experiência em situações absurdas, em entrevistas ridículas e em azar profissional. Estou perita nestas três competências e com a capacidade para escrever um bom livro sobre as temáticas. Ora vejamos, no meu primeiro emprego, como terapeuta da fala fiquei extremamente iludida por ter conseguido encontrar uma vaga de trabalho ao fim de cinco currículos. Ingénua na altura, não compreendi o quão desastroso isso poderia um dia ser. Trabalhei cinco meses num gabinete que me manteve ilegal durante o tempo todo, com uma promessa impossível de estágio profissional. Trabalhava a 1h10 de casa, gastava imenso em gasóleo e por estradas bastante escuras. Choramingava pelo meu ordenado, pois o patrão adorava demorar-se a pagar-me fosse o que fosse e ainda tive direito a uma inspecção do trabalho enquanto lá trabalhava. Este foi o momento ideal para sair e acreditei que iria conseguir um emprego com tanta facilidade como tinha encontrado o primeiro. Mas nem tudo foi mau, consegui fazer amizades com quem ainda hoje mantenho o contacto e com um horário de 40h consegui ganhar imensa experiência e preparar inúmeros materiais que ainda hoje me dão imenso jeito.

       No meu segundo emprego fui fazer a substituição de uma grávida, pela primeira vez trabalhei a recibos verdes e compreendi o absurdo da situação. Perdia quase duas horas no trânsito por dia, mas admito que não me custava nadinha, ganhava misérias (se tirei algum mês mais de 700€ já foi uma fortuna rara! E nem estou a falar das despesas associadas...), perdia hora de trabalho quando algum doente decidia faltar e ainda tinha uma coordenadora fantástica (ou não). Esta coordenadora tinha a excelente competência de começar a berrar com as pessoas às 8h30 da manhã quando a sala de espera estava cheia e com os bombeiros a trazerem os respectivos doentes. No entanto, adorava realmente o que fazia, trabalhar com idosos e crianças ao mesmo tempo foi dos trabalhos mais gratificantes que tive até hoje. De resto era tudo muito estranho, durante quase um ano não aprofundei o meu conhecimento com ninguém na clínica, almoçando sozinha e tendo os meus livros como companhia. No início custou-me bastante não fazer amizades, depois compreendi que foi uma espécie de bênção. Quando vim embora, gostariam que eu ficasse a ganhar experiência sem salário o que realmente me deu uma vontade imensa de rir, como se dois anos de experiência não fossem o suficientes.

       O terceiro emprego, apesar de não ter sido como terapeuta da fala, foi o melhorzinho. Trabalhei numa famosa empresa de distribuição, em horário part-time que pouco contacto me obrigava a manter com o pessoal. Entrava a correr e saia a correr. Excessivamente cansativo fisicamente, mas libertador de certa forma. O ordenado não era uma fortuna, nem lá perto, mas ajudou-me a manter a sanidade mental após uma altura demasiado extensa de desemprego.

       O quarto emprego, e actual, desta vez como administrativa, também não tem sido o fundo do arco-irís (imagino que percebam porque não irei dar mais pormenores). Eu sei que nenhum emprego o é, tenho bem experiência disso, mas acreditem que aqui existem coisas que nunca vi na minha vida e isso deixa-me frustrada. Quem me conhece, mas pouco sabe sobre o local onde trabalho, acham que me saiu uma espécie de euromilhões. Aos olhos dos outros é uma sorte grande estar a ganhar o que ganho, não literalmente, mas quase, à porta de casa, com a possibilidade de ir almoçar todos os dias a casa e ainda com a vantagem de gastar pouco em combustível e em tempo. No entanto, ninguém percebe a minha frustração e nunca hão de entender por uma simples, não são eles que estão no meu lugar. A nossa vida aos olhos dos outros é sempre muito melhor, temos sempre mais sorte que os próprios, a questão é que não sabem os sacrifícios que fazemos (também sei que isto tem o outro lado da moeda). Eu não gosto de me queixar sobre o meu trabalho, nunca o fiz, mesmo com todos os contratempos que tive em todos os meus empregos anteriores. Sou a pessoa de dizer que 'sim, está tudo bem, tem as suas vantagens e desvantagens', mas não aprofundo para simplesmente não pensar no assunto e para não ser uma queixinhas. São poucas as pessoas que realmente sabem o que se passa na minha vida profissional, Ele e os meus pais, tirando isso mais ninguém precisa de o saber, mas irrita-me que me achem dotada de uma sorte que não existe. Por vezes penso que até hoje, a nível profissional, o erro foi sempre meu ou se sou demasiado exigente, outras penso que é simplesmente a minha 'má sorte'.

       Agradeço aos céus o facto de ter um emprego. Estou grata por ter fugido do desemprego que tanto me atormentou a alma, mas a verdade seja dita: Estou mesmo a precisar de mudar a minha sorte a nível profissional.

15
Mar17

E fiquei com o coração nas mãos...

FB_IMG_1489575166783.jpg

Estão a ver esse menino branquinho, debaixo dos meus óculos? Pois bem, ele na segunda-feira decidiu deixar-me na mão. Ao fim de dois anos e quatro meses decidiu que era altura de ir tirar uns dias a um hotel e abandonou-me. Para disfarçar cometeu uma espécie de suicídio apenas para sair de casa. Por isso, a sina do fim das garantias continua para estes lado. Ele já diz que tem medo que eu lide com aparelhos tecnológicos, que eles comigo pressentem o fim da garantia e decidem tirar férias. 

Este menino, que me é tão querido, que tanto me custou a pagar e pelo qual me apaixonei perdidamente, decidiu simplesmente não ligar. Num dia estava tudo normal, eu a ver cozinhas no IKEA com Ele e no dia seguinte nada. Na segunda-feira peguei nele com o intuito de rever o português do relatório d'Ele para a Ordem dos Engenheiros e nada! NADA! Fiquei imediatamente com o coração nas mãos, experimenta carregador, troca carregador, tenta ligar, tenta mexer, e NADA. Primeiro pensamento que me passou pela cabeça: F***-se! Já nem me recordava se tinha feito extensão da garantia ou não, já nem me lembrava se tinha sequer guardado a maioria das coisas no disco externo. Aliás, ainda nem verifiquei até que ponto é que tenho grande parte da minha vida no disco externo. Por milagre, lembrei-me que no momento em que comprei este menino pensei 'com a sorte que tenho é melhor fazer extensão da garantia para esta coisa tão cara!' e só tenho a dizer, ainda bem que o fiz. Ainda não sei o que se passa com ele, imagino que seja a motherboard ou a fonte de carregamento da bateria, mas a verdade é que três dias sem ele me fizeram aperceber do quão dependente estou do meu computador. Gosto do telemóvel e tal, mas o meu computador é o menino dos meus olhos.

E agora? Agora é esperar ter sinais de vida dele e esperar que me consigam preservar a memória e que o tratamento esteja dentro da garantia.

Oh sorte a minha e eu com tanta coisa para fazer!

29
Dez15

Finalmente 2015 acaba! Ufa!

Sem Título.png 

Este ano de 2015 foi absolutamente terrível, não houve um único momento de descanso e já há muito que andava ansiosa por ver este ano pelas costas. Se começou mal, não terminou de maneira muito melhor e contam-se pelos dedos de uma mão as coisas boas que aconteceram. Se em Janeiro já rogava pragas a este ano, imaginem como termino agora! Foram cartões de multibanco perdidos, foram as revoltas das malas e dos aparelhos tecnológicos. Foi uma terapeuta da fala ficar sem voz, foram as aventuras do IEFP, gripe em pleno verão (penso que até nos dias mais quentes de um verão chato) e até poupar para voltar a ser desempregada. E... voltar a ser desempregada. Foram as aventuras de entrar duas vezes pela mala do carro, foram até contas surpresas com mais de dois anos de validade que levaram à criação de mini-avc's na Just. Foram os dois lutos dos avós com apenas meio ano de distância, foi o rezar para a avó não falecer 'comigo' e não ver esse desejo cumprido. Como vêm, não foi um ano naaaaada fácil. Com tanto azar e com tanta coisa a acontecer de mau, questionei várias vezes se deveria ir à bruxa ou se poderia processar a astrologia. Acabo o ano cansadíssima de tanta inconstância.

Mas há que procurar o lado bom das coisas, certo? Nasceu o terceiro sobrinho para dar uma alegria extra à família, que se tornou meu afilhado e d'Ele. Finalmente realizei o meu sonho de ir a Paris para o qual poupei um ano inteiro e há anos que o vinha a adiar. Tive muito amor este ano d'Ele, da família e muitos foram os momentos em que fui mimada e acarinhada. Tornei-me ainda mais romântica, mesmo sem saber porquê (e vocês foram testemunhas de tal coisa). Foi o ano em que conheci a Magda e a Maria das Palavras que tornaram este mundo blogosférico ainda mais real para mim. Foi um bom ano para o blog, estive mais presente e mais activa, o que me tem permitido conhecer boas pessoas. Foi um excelente ano para livros, uma leitura variada e cheia de aprendizagens. Os medos das palavras difíceis desapareceram e dediquei-me a grandes clássicos.

Com 2015 aprendi muito, arrependi-me algumas vezes. Fortaleci as amizades que valem realmente a pena, e deixei as outras pelo caminho. Engoli em vez de explodir, mas não me deixei pisar, apesar dos momentos em que senti a paciência esgotada. Cresci com os meus doentes e apaixonei-me novamente pela minha profissão (apesar do terrível desemprego). Não tive muita esperança, é verdade, mas que esta me seja restabelecida em 2016 e que me ajude a ter fé de que as coisas hão de melhorar. 

Foi um ano muito duro, que pouca ou nenhuma saudade me trará, que me lembrou tempos muito difíceis de 2007, mas ao qual sobrevivi (com mais ou menos sanidade mental, sobrevivi). Que em 2016 tenha menos azar e que o emprego me venha finalmente bater à porta!

Bye-bye 2015! Põe-te a andar e que 2016 venha cheio de coisas boas!

E o vosso 2015, como foi?

 

P.S.: 2015 - 12 vs Just - 0

Inspiração do Mês

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Segue-me ainda em...


Justsmile91's book recommendations, liked quotes, book clubs, book trivia, book lists (read shelf)

Nas páginas de...

2020 Reading Challenge

2020 Reading Challenge
Justsmile91 has read 0 books toward her goal of 12 books.
hide

Parcerias

Emprego em Portugal estudoemcasa-mrec