Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

justsmile

23
Abr18

Os livros da minha vida

(Imagem retirada daqui)

 

       Ao longo da minha vida os livros foram ganhando uma relevância cada vez maior. Quando aprendi a ler, lembro-me de ao domingo querer ver logo a parte infantil da revista da minha mãe para ver as suas histórias. Mais tarde, quando o meu irmão me ofereceu À Procura do Mercador de Areia, lembro-me da confusão que aquela história me fez, mas do sabor doce que me deixou nos lábios. Aquele livro tão estranho, sobre um homem que procura uma areia para poder dormi, deixou em mim a vontade de conhecer outros mundos, de conhecer outras histórias. Dei então por mim aos 7 anos a pedir livros como prenda, todo o tipo de livros, com desenhos, sem desenhos e tudo começou porque um dia o meu irmão se lembrou de me trazer um livro da faculdade. E assim começou a minha relação com os livros, uma pequena paixão que viria a crescer com o tempo e que viria a tornar-se no meu maior refúgio. Sem dar pela coisa, ao longo da minha vida, os livros tornaram-se também parte da minha história. Este foi apenas o início.

      O diário de Anne Frank entrou na minha vida no início da adolescência, com 12 anos, e foi ela que me fez apaixonar por uma parte da história mundial que ainda pouco conhecia. Lembro-me de sentir a empatia por ela, com as suas palavras, com o seu diário, eu que escrevia também um diário desde os 7 anos e que 'sofria' as causas normais de alguém da idade, tal como ela. Ganhei um amor inestimável àquele livro, que já tinha sido das minhas tias e O diário de Anne Frank foi o livro que mais vezes li. Li quando precisava de relembrar o quão boa pode ser a vida, li quando voltei a precisar de me lembrar que há muito mal na humanidade, mas também há sempre alguém de bem. O diário de Anne Frank foi aquele livro que deu início a uma nova paixão pelos livros, os livros de história, os livros baseados em factos reais e os livros sobre a II Guerra Mundial que eu tanto gosto de ler.

       O tempo foi passando e houve uma altura da vida em que me senti perdida. Estava no pico da adolescência, 16/17 anos e com tantos problemas familiares perdi-me em mim mesma. Não lia muito na altura, o hábito tinha-se perdido algures no tempo, no cansaço, na rotina e nos problemas e foi quando me deparei com A Rapariga que Roubava Livros. Foi este livro sobre o refúgio de uma rapariga nas palavras dos outros que me trouxe de novo uma paixão que estava apenas adormecida. Ao ler as suas palavras, a forma como os livros lhe mexiam com os sentimentos e como a faziam viajar que me lembrei porque precisava tanto dos livros na minha vida. Para mim própria, os livros eram o meu refúgio, apenas me tinha esquecido, apenas tinha deixado adormecido este gosto que tão bem me fazia. Este livro fez simplesmente lembrar-me de que os livros eram a minha tábua de salvação.

       A vida vai tendo os seus altos e baixos, as rotinas vão mudando, as prioridades também e quando andei na universidade a vida estava tanto do avesso que o tempo para os livros tinha-se dissipado. Estava demasiado focada em tirar um curso que tudo o resto à minha volta se tinha perdido, inclusive eu mesma. Em 2012 senti o meu fundo emocional. Entrei num modo automático e que só me dava para chorar. Era muita a pressão, imposta pelos outros e por mim mesma, era muito o trabalho, eram muitos os problemas em casa e fui descendo, descendo até me sentir num lugar escuro. Foi Quando Estiveres Triste Sonha que surgiu na minha vida, um presente da minha irmã, pela altura dos meus anos. Um livro de bolso que me começou a acompanhar nas viagens de comboio e que me trouxe à realidade. Outro livro sobre a II Guerra Mundial que me fez lembrar que a vida é muito mais que tristeza, que a vida tem coisas boas, por muito negras que pareçam, e que vamos sempre a tempo de sonhar. Com este romance tão simples, tão doce, relembrei-me de que posso sonhar. Foi então aí que a minha vida começou a mudar, que senti a mudança na minha pele, que senti a necessidade de ser quem sempre queria ter sido. De uma forma tão simples, um livro fez-me lembrar que a vida é aquilo que queremos fazer dela. E a partir daí nunca mais abandonei os livros. A partir deste momento compreendi que os livros iriam sempre ser a minha terapia, a minha salvação e o meu refúgio neste mundo de loucos.

       Neste dia mundial do livro penso na importância que estes simples livros tiveram na minha vida. Não são livros de grandes autores, alguns nem estão no topo dos melhores livros do mundo, mas foram todos eles que me revelaram a importância de ler na minha vida. Foram todos eles que me fizeram compreender como os livros são a melhor forma de lidar com a vida, a melhor forma de aprender a viver. Estes são realmente os livros da minha vida, da minha própria história. E que livros fazem parte da vossa história?

18 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Segue-me ainda em...


Justsmile91's book recommendations, liked quotes, book clubs, book trivia, book lists (read shelf)
Revista Inominável

Nas páginas de...

2018 Reading Challenge

2018 Reading Challenge
Justsmile91 has read 0 books toward her goal of 12 books.
hide

Parcerias

Emprego em Portugal