Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

justsmile

Sex | 08.05.15

Porra que sou feliz!

(Imagem retirada da Internet)

 

E ali ao meu lado sempre estiveste, pertinho de mim, passado despercebido durante estes anos todos. Eu estava num caminho e tu noutro totalmente diferente e com poucos metros de distância um do outro. Do nada, de repente, sem me aperceber surje a tua necessidade de estar comigo e de gritares ao mundo que me amas. Como poderia eu saber lidar com isso? Assustada fiquei, mas foi um medo que me preencheu o coração. Um receio de errar, um receio de tomar a decisão errada e perder o que já tinha perdido uma vez na vida. Tola, sem racionalizar avancei para ti como tanto desejavas. E nos teus braços fiquei e agora jamais quero sair. Fizeste-me ver o amor de outra forma, mais luminosa, mais necessitada e dependente, de uma forma ridiculamente feliz e cliché. Sinto-me absurda ao ver-me como a personagem de um desses romances que tanto me acompanham na hora de almoço, mas sorrio ao ver-me assim. Sorrio com aquele sorriso parvinho como uma adolescente que vive o primeiro amor. Pode não ser o primeiro, mas é aquele que mais me tem vindo a ensinar e até a mudar. Aquele que mais desejo e que mais sonho conquistar. Desde aquele beijo que me fez derreter totalmente, em que perdi a força nas minhas pernas e que apenas me lembro de ter quase perdido os sentidos, que nunca mais fui a mesma. Transformaste-me e a palavra 'amor' para te chamar saí com a maior das naturalidades e até a mim me surpreende. Tu surpreendes-me e fazes-me surpreender a mim própria, o que considerava impossível. Fazes-me amar-te mais a cada dia que passa e desejar passar, nem que seja mais um minuto extra, a teu lado. Sinto-me ridiculamente 'melosa', em que quase me irrita a forma como me preenches o pensamento e o coração. Sinto-me absurda ao perder este meu lado de mulher durona, pois no fundo só tu me consegues 'derreter' tão bem. Sinto-me estranha com tanta mudança, mas tão bem com ela que me questiono como conquistei tal vitória nesta vida. Porra que me fazes pensar demasiado no amor! Porra que nem eu sei porque te amo tanto, se pelo grande homem que és, se pela adolescente que me fazes sentir!

Porra que me fazes feliz! 

 

Daniela Barreira desafiou-me a Escrever uma carta àquele(a) que te ama, ou àquele(a) que te vai amar, eu agora desafio a M* e o Bruno Custódio, acho que serão dois opostos no que toca a cartas de amor.

33 comentários

Comentar post

Pág. 1/2