Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

justsmile

Seg | 18.04.16

Perdida por terras do Alto Douro

 

No meu aniversário Ele perguntou-me o que queria de prenda de anos. A resposta foi simples: passear. Ele sabia que há muito que desejava conhecer melhor o Douro, apesar de em pequena ter feito grandes passeios por essas terras mas das quais não tenho memória, pedi-lhe então para me surpreender. Ao fim de dois meses, precisamente dois meses de 25 anos, fomos usufruir da minha prenda de aniversário.

1.jpg

 

 Decidimos sair no sábado após o almoço, assim Ele podia descansar um bocadinho da semana de trabalho e eu no domingo já o podia chatear para ir passear cedo. Começamos por Amarante, que por incrível que pareça, é mais perto da minha terra do que eu julgava. Vimos a igreja de São Gonçalo que acabava de casar mais um casal, com direito a pétalas e arroz nos cabelos, e onde os convidados tremiam do vento frio que vinha do rio. Ainda fomos ao café de São Gonçalo, mesmo ao lado da igreja, onde existe uma estátua do escritor Teixeira de Pascoaes, pessoa esta que dedicou um poema ao próprio café.

2.jpg

 

De Amarante partimos para Santa Cruz do Douro, sempre por estradas nacionais de forma a aproveitarmos o mais possível da paisagem fabulosa que envolve o rio. Chegamos ao Douro Palace Hotel Resort & Spa, mais um dos pacotes do Odisseias que ficou tãooo em conta comparado com o preço original e com a paisagem fantástica que um hotel de 4* nos deu. Este era o quarto, com uma fabulosa paisagem para o Douro, que me deixou hipnotizada durante uns bons minutos. Era cedo para jantar, pelo caminho já tínhamos apanhado chuva, raios de sol e até granizo, então decidimos optar por ir experimentar a piscina do Spa e a sauna (não eram permitidas fotografias). A dizer: PERFEITO. Temperatura ambiente perfeita, ambientada por velas, incenso e uma paisagem magnífica. Momentos ideais para relaxar depois da longa condução debaixo de chuva e curvas-contra-curvas. À noite, decidimos ir jantar a Baião a uma residencial que nos serviu uma mistura de carnes macias e muito saborosas, já para não falar da alheira que abriu caminho ao resto da comida.

3.jpg

No domingo, depois de um pequeno-almoço de luxo no hotel, com direito a tudo e mais alguma coisa, partimos para o Peso da Régua, passando por Mesão Frio, Alijó e outras terras banhadas pelo Rio Douro que não parava de correr. A Régua recebeu-nos com uma miragem do trajado da Sandeman e com as várias vendedoras dos famosos rebuçados da zona. Ao longo do percurso não faltaram quintas com os seus anúncios, os seus vinhos e as suas visitas pelas vinhas.

 

4.jpg

 

 

 Peso da Régua, Pinhão, sempre pela marginal apanhando a bela da chuvinha, mas que não nos impedia de ver as maravilhosas paisagens que o Douro dá. A perfeição dos socalcos com as vinhas e os variados nomes espalhados por todas as terras, com as suas gigantes casas senhoriais, transformam a paisagem do Douro em tempos de D. Ferreirinha. É quase possível imaginá-la vestida de preto por aquelas terras, aquelas linhas dos comboios e a abrir a porta daquelas enormes casas.

Almoçamos pelo Pinhão, um polvo grelhado maravilhoso e a preço bastante económico, que o nosso amigo TripAdvisor aconselhou. Do Pinhão, rumamos caminhos a Vila Real, onde terminaria a nossa viagem por estradas nacionais, já bem mais perto de casa e de algo que nos era conhecido. No entanto, fomos recebidos em Vila Real debaixo de chuva torrencial, impedindo-nos de ver fosse o que fosse. Foi já em terrinhas santas (entenda-se por isso a nossa terrinha) que o sol nos recebeu e nos contemplou no pequenino passeio a pé que nos permitiu esticar as perninhas.

O nosso Portugal é cheio de terras encantadas, qual será a próxima a visitar? Aceitam-se sugestões!

49 comentários

Comentar post

Pág. 1/2