Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

justsmile

Seg | 07.03.16

Não dou a 'moedinha'!

(Imagem retirada da Internet)

 

Não sou apologista da 'moedinha' para arrumadores de rua. Irrita-me ver estes parasitas da sociedade aproveitarem-se de qualquer local de estacionamento para fazerem de conta que nos ensinam a estacionar e no fim pedirem a dita moedinha. Evito ao máximo estacionar nos locais indicados por eles, mas às vezes não há outra alternativa, principalmente em zonas muito movimentadas como é a área do Hospital de São João.

Já assisti a cenas bastante caricatas com os ditos 'arrumadores'. Uma vez, ao sair do estágio a senhora pediu-me uma moedinha e eu disse que não tinha (como faço SEMPRE), a resposta dela marcou-me para a vida 'Ai menina, isto anda tão difícil! Estou aqui quase à uma hora e ainda só consegui 2,50€', na altura fiquei escandalizada, visto a senhora queixar-se de ganhar mais que o ordenado mínimo à hora e a fazer rigorosamente nada. Outra vez o arrumador queixou-se que 0,20€ que um amigo lhe dava não serviam para nada, apeteceu-me logo rogar-lhe imensas pragas, mas calei-me e continuei a andar como se nada fosse. Ainda existiu um que pedia moeda numa zona de estacionamento pago, 'Oh menina, dá-me a mim a moeda e se a polícia vier eu ponho o papelinho', como podem imaginar coloquei o papel e não dei moeda nenhuma ao senhor.

Ele diz que devia sempre dar moeda, nem que fosse 0,10€, mas eu recuso-me a compactuar com este tipo de gente. Lamento, podem-me vir cheios de moralismos e argumentos de que são pessoas necessitadas, que não têm apoios, pois bem, para mim isso são tudo tretas! Para mim tratam-se simplesmente de parasitas que procuram um motivo para pedir moeda, nada mais e eu, Just Smile, NUNCA dou moeda. Lembro-me apenas de dar duas vezes e porque estava sozinha, à noite e numa rua escura, senão nem aí daria (estava a defender a minha integridade física, não fosse o homem passar-se!). Lamento, mas recuso-me a dar moeda a quem passa o dia a passear, a fazer-se de coitadinho e aproveitar-se da mínima situação para ainda se queixarem que é pouco! Ele diz sempre que prefere dar do que ter o carro arranhado, que prefere dar do que lhe estragarem o carro, a mim como nunca me tinha acontecido tal coisa em sete anos de carta de condução e nunca dei. Sempre fugi o máximo que pude deles, mas quando acontecia dizia que não tinha ou, ultimamente, usava o argumento de estar desempregada tal como eles.

Na passada quinta-feira fui à zona do Hospital de São João, onde assisti à maioria dos exemplos acima referidos, e dei três voltas sem encontrar estacionamento. E quando vi um, dez metros à frente um arrumador fazia-me sinal para estacionar onde ele estava. Teimosa como sou, fiz de conta que não vi e estacionei antes, um local apertadíssimo, mas onde o meu carro cabia. O que eu não queria era ter de dizer não ao homem! Estacionei, saí do carro ao telemóvel e o homem não me conseguiu apanhar para pedir a moedinha, pois já estava entretido a pedir a outro senhor. Fui dar a minha volta, voltei e como chovia entrei imediatamente no carro sem prestar atenção ao resto. O arrumador tinha desaparecido, claro, não fosse estar a chover.

No dia seguinte, à hora do almoço o meu pai chega, depois de ter pegado no meu carro e informa-me que 'alguém gosta muito de ti'.

- Ah? Como assim? - não estava a perceber onde ele queria chegar.

- Riscaram-te o carro todo. - Ainda assim não percebia o tema da conversa.

- Mas bateram-me no carro? Eu não reparei!

- Não, não te bateram no carro. Riscaram-te foi o carro de uma ponta à outra do lado do condutor e no capô. Ontem não viste porque estava a chover e não dava para ver. - os meus neurónios começaram a processar a informação e foi então que me lembrei de onde tinha andado nos últimos dias e o único sítio onde poderiam ter feito tal coisa era a onde? Onde tinha estacionado o meu bolinhas na zona do Hospital de São João. 

Fiquei danada! Não existe outra possibilidade para aquele risco a não ser aquele arrumadorzinho (quantos nomes pouco educados me aparecem logo a seguir a esta palavra) a quem não dei sequer hipótese de me pedir moeda! Fiquei mesmo furiosa, apetecia-me ir ter um tête-à-tête sobre as ditas moedinhas!

- Oh deixa lá, o carro também não está com a melhor pintura, mas ainda assim tem mais cuidado. Quando tiveres um carro novo dá moeda senão estás tramada. - respondeu o meu pai.

E sabem uma coisa? Que se lixe! Recuso-me a dar moeda! Esta gente não faz rigorosamente nada a não serem os parasitas da sociedade e ainda se acham cheios de direitos de riscar o carro dos outros só porque não têm moeda! Lamento, não vou compactuar com tais situações! Tem um risco novo, tem, mas aquele c**** não levou moeda de mim!

 

Arre para esta gente!

33 comentários

Comentar post