Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

justsmile

Sex | 29.09.17

Inspirações e Resumo de Setembro

Inspirações e resumo de....jpg

      Setembro foi um mês de colocar desafios a mim mesma. Comprometi-me a estar uma semana sem comer porcarias, uma semana sem ter acesso ao Facebook e até quis criar o novo hábito de me levantar ao primeiro toque do despertador. Foi também o mês de me comprometer a voltar a fazer exercício, a avançar com a definição de obras para a nossa casa e até a encontrar padre. Cumpri com todos os desafios, mas não da forma que esperava (aqui estão as minhas propostas para Setembro).

 

      1º Uma semana sem Facebook este foi o desafio de mais fácil concretização. Desliguei a minha aplicação do Facebook no telemóvel e no computador e apenas Ele me mantinha a par das novidades. Não senti necessidade de ir ver fosse o que fosse, mas dei por mim, inconscientemente, a carregar no icon do Facebook de cada vez que ia ao telemóvel. Desde que cumpri a semana sem Facebook que tenho cada vez menos vontade de lá ir, tenho-me mantido afastada e até pouca coisa tenho colocado na página.

 

      Uma semana sem porcarias, ora este foi um desafio concretizado, mas não da forma que esperava. Fiquei doente logo no segundo dia e a nível intestinal fiquei completamente desregulada. A dieta longe de porcarias veio mais por obrigação do que por uma tentativa de me superar a mim mesma e de me testar. A semana sem porcarias passou de uma a duas e não dei pela falta de nada, talvez porque também estava doente. No entanto, consegui adquirir um novo hábito, levar fruta para o trabalho. Normalmente comia só fruta ao almoço e ao jantar e obriguei-me a levar um lanche mais saudável. Agora no final do mês, dei por mim a levar todos os dias uma peça de fruta a acompanhar o meu sumo de fruta (que ainda não consegui encontrar uma melhor alternativa) e um pão com compota caseira, queijo ou fiambre. Apesar de tudo, continuei sem tocar em refrigerantes ao longo da semana e, até ao fim-de-semana agora pouca vontade de beber tenho, o pacote de açúcar no café continua a diminuir gradualmente. O único se deste desafio? Não consegui comprová-lo numa semana de saúde normal, por isso espero repeti-lo em breve.

 

      3º 21 dias a acordar ao primeiro despertador, Ok, eu admito, este era um desafio que não sabia muito bem como ia correr. O primeiro dia foi simplesmente terrível, precisei de uma grua para sair da cama. No segundo dia já fui capaz de me levantar ao primeiro despertador, mas não reparei em nenhuma melhoria significativa na minha manhã. No terceiro dia lá me voltei a levantar ao primeiro toque do despertador e não me senti melhor por nisso. Depois no quarto, quinto e sexto dia apercebi-me que levantar ao primeiro toque do despertador não fazia nada de bom por mim. Não acordava com mais energia, como li muitas vezes, não acordava com mais disposição e a minha rotina matinal mantinha-se a mesma. Ao fim de uma semana achei que não valia a pena levantar-me ao primeiro despertador, os dias começaram a ficar mais frios e aqueles cinco minutos a mais sabiam-me melhor do que levantar imediatamente. Compreendi então que esta rotina não é para toda a gente e que me fazia melhor ficar mais cinco minutos na cama do que propriamente levantar-me mais cedo. Por isso levantar ao primeiro despertador dá mais energia? Para mim é simplesmente um mito.

 

      Voltar à piscina e à ioga, este foi o ponto que não consegui concretizar. A primeira semana do mês foi a que estive doente e nem me arrisquei a fazer exercício devido à sensação de atropelamento que tinha no corpo. Na segunda semana fui à piscina e fiquei extremamente desiludida comigo própria, para quem fazia 7 piscinas seguidas apenas consegui fazer 2, além de que a ioga ainda não tinha começado no ginásio. A terceira e quarta semana tiveram de ser dedicadas à política (ainda penso como é que fui parar a estas andanças!), não me dando espaço para mais nada. 

 

       Setembro teve a concretização de muita coisa, mas a vida deu-me as voltas e não consegui fazer nada como tinha imaginado. Ainda assim senti-me concretizada em vários aspectos e aprendi que aquilo que é adequado para os outros nem sempre é para nós. Apesar de não termos encontrado o padre que desejavamos, conseguimos orientar as coisas para iniciarmos os nossos convites para o casamento. Apesar de não termos ainda propostas de orçamento para as nossas obras estamos à espera delas. E até já definimos ponto por ponto o que precisamos de fazer. Contudo, outras coisas boas aconteceram em Setembro que me inspiraram.

      Em Setembro decidi começar a ter mais atenção aos rótulos dos produtos que uso e comecei a optar por produtos à base de plantas naturais. Ao ler outros blogs apercebi-me dos químicos que introduzimos no nosso corpo e comecei a estar mais atenta a esse aspecto da minha vida. Experimentei o desodorizante à base de bicarbonato de sódio e comprei um gel intimo 100% natural. Até Dezembro tenho o desejo de mudar todos os meus produtos de higiene e cuidado pessoal para produtos naturais.

      Continuei a ler blogs sobre minimalismo e a deixar-me envolver por esta nova temática. Inspirei-me em alguns posts para dar uma volta na minha vida e comecei a procurar mais a paz interior. Me and Orla foi um dos blogs que mais me inspirou ao longo deste mês pela sua simplicidade. 

Sem Título.png

 

      E é também em Setembro que cumprirei com um dos meus objectivos de 2017 ao fazer um Workshop de culinária. Há muito que o desejava e em setembro decidi tomar esta iniciativa. Escolhi algo que me irá dar muito jetio e aproveitar para melhorar as minhas capacidades culinárias, que apesar de não serem más, também não são as melhores. Fiquei entusiasmada com o workshop e com o facto de finalmente ter concretizado este objectivo que há tanto ansiava. Amanhã, dia 30 lá estarei para aprender umas receitas novas.

 

      Setembro foi um mês com muito trabalho, pouco tempo livre e com muita coisa para fazer, mesmo assim posso dizer que foi um bom mês, pois soube organizar-me e gerir o meu tempo. Este foi também um mês de aprender a poupar nas compras de roupa e na Feira do Livro. Foi um mês de consciencialização das mudanças que preciso e que tenho feito na minha vida, com momentos de reflexão e instrospeção. Foi até o mês de reorganizar o meu armário e de substituir algumas peças de roupa. Setembro, apesar de tudo, foi um bom mês. Um mês de experiências, de novas aventuras e de novas concretizações. De crescimento pessoal, de decisões e de novas tentativas de crescer.

      Setembro foi realmente um mês de aprendizagens, posso não ter ido para a escola, mas sem dúvida que aprendi muito!

Sex | 29.09.17

V - Voltarás a ler

V - Voltarás a ler

 

Quero muito voltar a ler A Livraria dos Finais Felizes, quero desta vez saborea-lo lentamente, ao contrário da última vez que o devorei em poucos dias. É um livro delicioso, querido e que deixa qualquer pessoa com o coração aberto às coisas boas. Quero muito voltar a ler este livro.

Por 26 dias, euMagda PaisMaria João CovasSofia GonçalvesMulaAlexandraDrama QueenCaracolGorduchitaB♥Sandra.wink.winkFátima BentoHappyCarla B. e Princesa Sofia respondemos a 26 perguntas sobre livros, tendo como mote o alfabeto. Às segundas, quartas e sextas, às 14h, não se esqueçam de cuscar as nossas respostas, em cada um dos blogs. Ou consultem aqui todos os posts publicados no Sapoblogs com esta tag.

 

Qui | 28.09.17

+ 5 Dicas Fáceis para Poupar

(Imagem retirada daqui)

 

      Este tem sido um bom ano de poupanças para mim. Tenho tido muita atenção ao que gasto, compro aquilo que realmente preciso e tenho feito um registo de todas as minhas compras na aplicação Toshl. Há meses com maiores despesas, algumas que por vezes não são contempladas no meu orçamento mensal, como presentes e saúde, mas tirando isso tenho tido a oportunidade de poupar bastante. Aqui dei-vos cinco dicas que costumo usar para poupar, hoje dou-vos mais cinco, dicas que me têm feito muito jeito e dado a oportunidade de poupar para as coisas que realmente me são importantes neste momento.

 

     1. Renegociar contratos e seguros, recentemente decidi que o que andava a gastar nos serviços de televisão, voz e internet em casa estavam a ser demais, com a chegada de uma carta em que devido aos aumentos me permitia rescindir o contrato, aproveitei e tratei de renegociar o meu contrato. A ameaça de "Quero rescindir" resulta perfeitamente e no contrato tive a oportunidade de reduzir a conta para quase 50%. O mesmo se passa com o nosso seguro automóvel. A nossa carrinha tinha um seguro contra todos os riscos, tinha poucos anos na nossa mão e compensava para o seu valor comercial. Neste momento o valor veio a descer e por isso consideramos que o seguro contra todos os riscos já não é uma mais valia e por isso vamos mudar para algo mais leve para as nossas carteiras.

 

    2. Comprar SÓ em promoções. Eu sei que nem sempre é fácil, mas se tivermos paciência e andarmos em investigações as oportunidades surgem. Neste momento aprendi que, tirando produtos alimentares e de saúde, posso comprar tudo em promoção. Livros, roupa, prendas e até bens para o nosso enxoval. Raramente compramos produtos sem ser em promoção, só quando é estritamente necessário. A roupa é toda adquirida em promoção, assim como os livros e se tivermos a paciência de irmos acompanhando os preços das coisas que gostamos compreendemos mesmo o nível de poupança que conseguimos ao adquirir um novo produto.

 

     3. Comprar online. Ainda de acordo com o ponto acima referido é necessário lembrar que muitas das promoções que vou encontrando não são em lojas físicas, mas sim em lojas online ou até em ambos os sítios, o que acontece com menor frequência. No que diz respeito aos livros, a única altura do ano em que costumo comprar em lojas físicas é na Feira do Livro. Já relativamente há roupa tento metade metade, por vezes experimento a roupa na loja física e fico à espera que ela passe para promoção online. Quando tal coisa acontece, como deixei de receber newsletters de lojas, vou acompanhando diariamente os sites para verificar se há novas promoções, o que só acontece quando realmente preciso de alguma coisa. Assim não caio na tentação de comprar o que não preciso e nem de perder tempo. A vantagem de comprar online é de economizar tempo e dinheiro, pois apenas nas peças de roupa e outros em que estou realmente na dúvida é que vou primeiro procurar nas lojas físicas. Um dia hei de falar quais são as minhas lojas online preferidas.

 

    4. Registar todos os consumos, este é um dos aspectos que considero mais importantes. Às vezes não têm a sensação de "para onde foi o dinheiro?", pois eu deixei de ter há alguns anos. Aprendi a registar tudo o que consumo, desde um café até ao seguro, todas as despesas são registadas na aplicação Toshl de forma rápida e na hora, para simplesmente não ficar esquecido. No final do mês faço um balanço para compreender o que comprei que poderia ter sido evitado e quanto consegui poupar do ordenado do mês.

 

    5. Andar sempre prevenida, ou seja, ando sempre com água na carteira. A fome é uma coisa que consigo controlar facilmente, mas controlar a sede é uma coisa que não dá para mim. Assim, ando sempre com uma garrafa de água, primeiro obriga-me a lembrar que preciso de beber água e depois não preciso de gastar dinheiro em comprar garrafas de água que custam 0,60€ ou 1€ quando a que trago de casa foi, na pior das hipóteses, 0,40€. Não costumo usar garrafa de vidro nem de plástico duro, normalmente compro uma garrafa de 75cl para poder caber na carteira, encho-a todos os dias e ao fim de uma ou duas semanas substituo-a. Parece coisa pouca, mas poupa-se imenso dinheiro no final de um ano. Quando trabalhava na cidade e não tinha horas de sair andava também sempre com um pacote de bolachas na carteira, hoje já não sinto essa necessidade e guardo no escritório as bolachas.

 

      São pequenas coisas em que tento poupar, sei que podem parecer insignificantes, mas no final de um mês e de um ano vemos a diferença. Tento ser uma boa gestora do meu dinheiro e comprometi-me a comprar apenas o necessário, os 'miminhos' como Ele lhes chama são apenas para as ocasiões especiais e para experiências. Sempre valorizei o dinheiro, mas desde que comecei a trabalhar e a pensar em projectos maiores que tenho tido mais regras. Estas são mais cinco regras que tento cumprir comigo própria, não com os outros, mas comigo e sem dúvida que têm feito a diferença ao final do mês.

 

Qua | 27.09.17

E o ano passou em dias...

   

(Imagem retirada daqui)

 

     Tenho dado por mim sem saber bem para onde foi o tempo. Ainda ontem era Janeiro e já só faltam três meses para o natal. Olho para trás e cada mês que passou parece-me apenas um dia. Janeiro foi o mês da decisão de começarmos a preparar o nosso futuro juntos. Em Fevereiro adquirimos o nosso terreno, ficamos com a carteira lisa por causa de impostos e em Amesterdão fui pedida oficialmente em casamento. Em Março reservamos a quinta. Em Abril apenas me recordo da Páscoa e que foi o mês em que os sábados desapareceram do meu dia de descanso. Em Maio sei que o trabalho começou a surgir sem fim e até ao final de Julho sei apenas que contratamos o fotógrafo para o casamento e que o terreno ficou finalmente limpo (isso e a nossa carteira). Julho foi o mês das férias, mas já há muito que não as sinto. Agosto foi o mês de começarmos a pedir orçamentos para as nossas obras, mês de termos um muro construido, experimentar vestidos de noiva e de sentir o final do verão. Setembro então, esse nem percebo bem como passou tão rápido, deu-se início à campanha eleitoral, continuamos com os orçamentos das obras, trabalhos ao sábado, trabalho diário até às 19h e estou há quase duas semanas sem pegar num livro. Mas é ao olhar para trás que todos estes momentos de 2017 me parecem apenas dias. Os meses converteram-se em dias na minha memória e não consigo compreender como o tempo passou tão rápido. Sinto o cansaço no corpo, sinto a sensação de que estão quase a terminar alguns projectos, mas não sinto que o mês está a acabar. O tempo tem passado por mim e apesar da concretização e da felicidade que sinto, não o tenho visto. Tem passado como uma miragem, em que a realidade de 2017 é gerida na memória em meros dias. Sinto-me cansada, as horas de sono já têm sido poucas, os fins-de-semana para descansar inexistentes e nem ao final do dia tenho conseguido reservar aqueles minutos só meus, mas a verdade é que me sinto como não sentia há muito. Sinto-me plena, sinto-me verdadeiramente feliz. Aos mais pessimistas tenho sempre de lembrar que tenho problemas, que ainda continuo com ‘ses’ na minha vida, mas aos que gostam de mim, aos que se preocupam, aos que se importam, digo a verdade, que sou feliz. Que todo este ano, até agora, me tem feito sentir crescida, completa e feliz.

        Haverá melhor sensação do que um cansaço feliz?

Pág. 1/7