Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

justsmile

Ter | 24.01.17

A ilusão do tempo

(Imagem retirada daqui)

 

Tenho a sensação de que falta muito tempo para tudo. Que falta muito tempo para a viagem, que falta muito tempo para a Páscoa, que falta muito tempo para começar as obras no verão e que ainda falta uma eternidade para o próximo ano. Tenho na minha cabeça a ilusão de que falta imenso tempo para tudo isso e quando me dizem o contrário entro um bocadinho em modo ‘pânico’. E olhem que nem sou de stressar muito com essas coisas!

Eu e Ele decidimos casar, sim, casar, como eu sempre idealizei (quase como eu sempre idealizei). E quando se toca nesse assunto com alguém, dizendo que os planos são para o próximo ano, as pessoas têm a imediata resposta de ‘Como? Ainda não têm quinta?’, como se fossemos um par absolutamente ridículo que não tem a noção da realidade. Respondo sempre calmamente ‘É só para o ano.’. E este e aquele começam logo com argumentos que me desarmam e que me deixam assustada, ‘Mas olha que este e aquele tiveram de marcar quinta com dois anos de antecedência. Olhem que vocês têm mesmo de marcar quinta’. E eu? Eu sinto-me ridícula e pressionada a marcar uma coisa que ainda me parece tão longínqua. Parece-me lá tão longe que até à data ainda a vida pode dar mil e quinhentas voltas e até a minha opinião mudar de um dia para o outro, ou até mesmo encontrar algo ainda melhor do que escolhi inicialmente.

A ideia que tenho na minha cabeça do tempo está ligeiramente alterada. Aliás, veja-se bem que falta menos de um mês para a minha viagem e ainda nem paciência, nem tempo tive para começar a desenhar o nosso itinerário. Veja-se lá bem que eu e Ele já começamos a ver cozinhas para no verão começarmos as obras, mas nem um nem outro nos demos realmente ao trabalho de tirar medidas ao espaço. E agora, parando, começo a ficar ligeiramente assustada. Quando dou por mim já passou o meio do mês de janeiro sem realmente reparar. O ano novo já começou há algum tempo e eu ainda tenho a sensação de que ainda estamos nos primeiros dias de 2017.

Não sei se esta danificação do meu tempo mental se deverá à quantidade excessiva de trabalho que tenho tido, ou simplesmente ao facto de ter cá dentro todos os receios e mais alguns. Teremos dinheiro para tudo? Vamos mesmo conseguir marcar quinta dentro do orçamento? E as obras? Estaremos a ser realistas com os orçamentos que criamos ou vamos assustar-nos quando começarmos a mexer verdadeiramente nas coisas?

Ando iludida com o tempo. Ando iludida com a ideia de que tenho mais tempo do que realmente tenho e todos mo dizem, mas este inconsciente anda teimoso para aceitar que o tempo passa mais rápido do que aquilo que eu possa pensar.